Junta de Freguesia de Alvarães

Notícias

Festa de Santa Cruz

Festa de Santa Cruz

29-ABR-2009

Programa                   21 de Maio de 2009 (Quinta – Feira da Ascensão)                   08h00 – Salva de Morteiros. 08h30 – Entrada do Grupo de Zés P’reiras Nacionais de Fragoso. 20h00 – Eucaristia – Devoção da Hora – Momento solene com lançamento de pétalas de flores junto ao Altar-Mor e por toda a igreja realizado por crianças.   22 de Maio de 2009 (Sexta – Feira)   08h00 – Salva de Morteiros 08h30 – Entrada do Grupo de Zés P’reiras Nacionais de Fragoso. 10h00 – Apresentação de cumprimentos às Autoridades. A Comissão de Festas de Santa Cruz faz-se acompanhar por elementos do Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Alvarães e do Grupo de Zés P’reiras Nacionais de Fragoso.   23 de Maio de 2009 (Sábado)   08h00 – Salva de Morteiros 08h30 – O Grupo de Zés P’reiras Nacionais de Fragoso continua a percorrer a vila. 15h00 – Entrada no recinto da Festa da Banda Musical Amigos da Branca e da Banda de Música Casa do Povo Moreira do Lima. 16h30 – Concentração das 14 Cruzes da Via Sacra, compostas por jovens, seguida de desfile e respectiva colocação ao longo da Avenida da Igreja. 17h00 – Entrada da Fanfarra de Escuteiros de Alvarães. 18h30 – Concentração no centro da vila dos Andores Floridos que seguirão para a Igreja Matriz. 20h00 – Eucaristia na Igreja Matriz com a participação do Grupo Coral S. José Operário. 21h15 – Início do Arraial. 21h30 – Concerto com a Banda Musical Amigos da Branca e da Banda de Música Casa do Povo Moreira do Lima. 23h00 – Espectáculo musical com o artista Rui Bandeira e a sua banda. 00h30 – Sessão de fogo-de-artifício.     24 de Maio de 2009 (Domingo)   08h00 – Eucaristia na Igreja Matriz solenizada pela Banda Cultural e Recreativa de Estorãos. 09h00 – Entrada da Banda Cultural e Recreativa de Estorãos no adro da Igreja Matriz. 09h30 – Eucaristia na Igreja de S. José com a participação do Grupo Coral S. José Operário. 11h00 – Eucaristia solene na Igreja Matriz com a participação do Grupo Coral S. José.   14h30 – Concerto da Banda Cultural e Recreativa de Estorãos. 16h00 – Hora Solene. 16h30 – Procissão Solene em honra de Santa Cruz. 18h00 – Despedida da Fanfarra de Escuteiros de Alvarães. 18h15 – Despedida da Banda Cultural e Recreativa de Estorãos. 18h30 – XXXI Festival Folclórico de Alvarães com a participação do Rancho Folclórico Passos Silgueiros (Viseu), Grupo Folclórico de Cacia (Aveiro), Grupo Folclórico Centro Social Vila Nova Sande (Guimarães), Rancho Folclórico S. Pedro de Rates (Póvoa de Varzim) e Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Alvarães (Viana do Castelo). 21H15 – Início do Arraial. 21h30 – Actuação do Grupo Festada Minhota. 00h00 – Sessão de fogo-de-artifício e encerramento das Festas de Santa Cruz.

Ler mais...
Andores floridos levam milhares à festa de Alvarães

Andores floridos levam milhares à festa de Alvarães

28-ABR-2009

Andores floridos levam milhares à festa de Alvarães Os andores floridos, decorados com milhares de pétalas coladas de forma a criar motivos religiosos, paisagísticos e monumentais, são os "ex-libris" da Festa de Santa Cruz, que nos dias 23 e 24 de Maio 2009 decorrem em Alvarães, Viana do Castelo. O trabalho de confecção dos onze andores tem lugar, normalmente, no pátio das casas dos mordomos e decorre praticamente ao longo de toda a semana que antecede a festa, só sendo dado por concluído na madrugada de sábado. Chegam a juntar-se, à volta de cada andor, três dezenas de "artífices", gente de todas as idades e profissões que, pétala a pétala, criam autênticas obras de arte popular. As pétalas são coladas com cola feita à base de farinha, cuja humidade permite que elas se aguentem por vários dias viçosas e coloridas. Cada lugar da freguesia tem o seu andor e ainda se cultiva uma sã rivalidade entre os vários lugares, pelo que as temáticas escolhidas são mantidas em segredo até à tarde de hoje, altura em que os andores são transportados para a Igreja Paroquial. Domingo, os andores são levados em procissão aos ombros dos mordomos, para admiração dos milhares de forasteiros que todos os anos se deslocam a Alvarães para apreciar aquelas autênticas obras de arte popular. "São andores únicos no País, `bordados` pétala a pétala pelas mãos sábias da gente da terra, pelo que este é um património de Alvarães que não se pode perder e que merece ser perpetuado", defendeu hoje o presidente da Junta de Freguesia local. Foi em Maio de 1946 que se fez em Alvarães o primeiro andor em flores naturais, cujo objectivo era a coroação da imagem de Nossa Senhora de Fátima. Em Outubro daquele ano, numa procissão que percorreu quase toda a freguesia em acção de graças pelo fim da II Guerra Mundial, mais quatro andores foram confeccionados com flores naturais, transportando as imagens de Nossa Senhora de Fátima, de Nossa Senhora do Livramento, de Nossa Senhora do Rosário e de S. Sebastião. Em 1947, o então pároco da freguesia, cónego Cepa, sugeriu que na Festa das Cruzes os andores fossem novamente feitos com flores naturais, argumentando que os ornamentos que então os enfeitavam "cheiravam a mofo". A ideia foi bem aceite pela população e assim surgiram os primeiros andores de flores naturais, que em nada se assemelhavam aos actuais, pois a estrutura era ainda feita nos armadores e depois eram compostos com solitários e jarras de flores. No ano seguinte surgiu a ideia de se começar a colar as pétalas de flores em andores já feitos por cada lugar da freguesia e de acordo com a imagem do santo que iriam transportar. Um dos andores mais pesados é o consagrado a S. Sebastião, que representa um castelo quase totalmente revestido de musgo e cujo transporte chega a "reclamar" os ombros de seis homens. Bem mais leve é o andor dedicado a Santa Gorete, que, como manda a tradição, é sempre transportado por raparigas solteiras.

Ler mais...
Onze quilómetros de tapetes floridos para a procissão passar

Onze quilómetros de tapetes floridos para a procissão passar

17-MAR-2009

Tapetes de flores que, no total, atingiram 11 quilómetros de comprimento cobriram ontem as ruas de Alvarães, Viana do Castelo, para a passagem da Procissão do Senhor dos Enfermos, que todos os anos se realiza naquela vila, sempre no terceiro domingo da Quaresma.  “A Igreja incita os cristãos a participar na comunhão, mas como há pessoas doentes que não podem ir à Igreja comungar, é a Igreja que vai ter com eles, levando o Senhor aos seus lares”, explicou o pároco de Alvarães, monsenhor António Gonçalves. Os tapetes são confeccionados, ao longo da estrada que a procissão vai percorrer, pelos moradores dos diversos lugares da freguesia, que para o efeito se organizam em comissões a quem cabe angariar os meios necessários à compra de flores. Os moradores nos vários lugares começam a atapetar as ruas logo a partir das 09:00, para que às 14:00, hora da saída da procissão da Igreja Paroquial, as ruas estejam devidamente engalanadas. Cultivam, mesmo, uma sã rivalidade entre eles. Durante quatro décadas, Augusto Faria, actualmente com 90 anos de idade, colaborou activamente na confecção e decoração destes tapetes, nomeadamente através dos chamados «centros», que davam um toque especial aos tapetes do Lugar do Xisto, onde reside. São trabalhos alusivos a motivos religiosos e moldados e pintados por ele, confeccionados em esferovite, barro, platex e gesso. Em 2008, estes centros ainda abrilhantaram a estrada, mas este ano já não saíram da casa de Augusto Faria, por força da sua idade avançada e do debilitado estado de saúde. “É um trabalho que exige muita paciência, muita minúcia, às vezes passava da meia-noite e ainda estava de volta disto”, contava, há tempos, o octogenário. “O problema é que ninguém quer saber disto, os mais novos só pensam em discotecas, e quando os da minha geração acabarem temo que esta tradição também seja votada ao abandono”, acrescentava. Agora, os filhos de Augusto Faria querem ver a arte do pai perpetuada num pequeno museu ou núcleo museológico, para mostrar às gerações vindouras. Na Procissão do Senhor aos Enfermos, que normalmente dura até às 18:00, participam sempre umas centenas de pessoas, que entoam cânticos. Além destes tapetes, a vila de Alvarães é conhecida pelos andores floridos, igualmente confeccionados apenas com pétalas e que são o “ex-libris” da Festa das Cruzes, que todos os anos se realiza em Maio.

Ler mais...
Farmácia em Alvarães

Farmácia em Alvarães

14-NOV-2008

A tão desejada instalação de uma farmácia em Alvarães vai, finalmente, tornar-se realidade. Hoje mesmo, dia 14 de Novembro de 2008, foi publicada em Diário da República a lista definitiva dos mais de 30 candidatos admitidos a concurso. A partir de agora, a farmácia pode abrir a qualquer momento. A decisão cabe, apenas e só, a quem ganhou o concurso. Está, assim, em vias de concretização um sonho antigo e uma velha reivindicação da população de Alvarães. Este foi um projecto que o actual executivo de Alvarães agarrou com ambas as mãos, desde que tomou posse. Com muita persistência, muito trabalho político e muita abnegação, conseguimos dotar a nossa vila de um equipamento de extrema importância. Vamos deixar de ser obrigados a “emigrar” para obter um medicamento. Isso significa um enorme passo em frente em termos de comodidade, de qualidade de vida, de saúde e, até, de economia. Aos Velhos do Restelo que sempre agoiravam que não íamos conseguir, a resposta está dada. Fomos vezes sem conta acusados, quer na Assembleia de Freguesia quer na praça pública, de que estávamos a mentir e que a farmácia nunca viria para Alvarães. A essas críticas sempre respondemos com todo um trabalho de bastidores, muita vezes silencioso, mas que se revelou decisivo para que a farmácia acabasse por ser aprovada para Alvarães. Estes são processos técnicos extremamente minuciosos e morosos, que muitas vezes parecem “encalhados” nos corredores do Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (INFARMED). O processo da farmácia de Alvarães também por lá andou durante cinco anos. Mas nós nunca desistimos, nunca deixámos que ficasse esquecido. Sempre acreditámos. Sempre porfiámos. E alcançámos.

Ler mais...
Rotunda: do sonho à realidade

Rotunda: do sonho à realidade

02-SET-2008

Há muito reivindicada por esta Junta de Freguesia, a rotunda de Alvarães, na Zona Industrial, vai finalmente ser uma realidade. As obras arrancaram hoje mesmo, dia 02 de Setembro, sendo o prazo de execução de 120 dias.O investimento ascende a 122 mil euros. Esta rotunda vai substituir o perigoso cruzamento ali existente, onde já se registaram inúmeros acidentes, alguns dos quais mortais. Esta Junta de Freguesia sempre esteve na linha da frente na luta pela construção de uma rotunda, que, além de conferir maior segurança naquela que é a principal entrada e saída de Alvarães, vai também contribuir decisivamente para uma maior fluidez do tráfego. A Câmara de Viana do Castelo também esteve fortemente empenhada na eliminação deste "ponto negro" das rodovias do concelho. Ainda recentemente, aquando da visita do secretário de Estado das Obras Públicas ao Alto Minho, Defensor Moura pediu ao governante para inscrever esta obra na lista das suas prioridades. Alvarães prepara-se, assim, para se livrar de uma autêntica "guilhotina" rodoviária. É tarde mas… mais vale tarde do que nunca.

Ler mais...
Andores floridos trouxeram milhares à festa de Alvarães

Andores floridos trouxeram milhares à festa de Alvarães

19-MAI-2008

Os andores floridos, decorados com milhares de pétalas coladas de forma a criar motivos religiosos, paisagísticos e monumentais, são os "ex-libris" da Festa de Santa Cruz, que decorreram em Alvarães, nos dias 17 e 18 de Maio. O trabalho de confecção dos onze andores tem lugar, normalmente, no pátio das casas dos mordomos e decorre praticamente ao longo de toda a semana que antecede a festa, só sendo dado por concluído na madrugada de sábado. Chegam a juntar-se, à volta de cada andor, três dezenas de "artífices", gente de todas as idades e profissões que, pétala a pétala, criam autênticas obras de arte popular. As pétalas são coladas com cola feita à base de farinha, cuja humidade permite que elas se aguentem por vários dias viçosas e coloridas. Cada lugar da freguesia tem o seu andor e ainda se cultiva uma sã rivalidade entre os vários lugares, pelo que as temáticas escolhidas são mantidas em segredo até à tarde de hoje, altura em que os andores são transportados para a Igreja Paroquial. Domingo, os andores são levados em procissão aos ombros dos mordomos, para admiração dos milhares de forasteiros que todos os anos se deslocam a Alvarães para apreciar aquelas autênticas obras de arte popular. "São andores únicos no País, `bordados` pétala a pétala pelas mãos sábias da gente da terra, pelo que este é um património de Alvarães que não se pode perder e que merece ser perpetuado", defendeu hoje o presidente da Junta de Freguesia local. Foi em Maio de 1946 que se fez em Alvarães o primeiro andor em flores naturais, cujo objectivo era a coroação da imagem de Nossa Senhora de Fátima. Em Outubro daquele ano, numa procissão que percorreu quase toda a freguesia em acção de graças pelo fim da II Guerra Mundial, mais quatro andores foram confeccionados com flores naturais, transportando as imagens de Nossa Senhora de Fátima, de Nossa Senhora do Livramento, de Nossa Senhora do Rosário e de S. Sebastião. Em 1947, o então pároco da freguesia, cónego Cepa, sugeriu que na Festa das Cruzes os andores fossem novamente feitos com flores naturais, argumentando que os ornamentos que então os enfeitavam "cheiravam a mofo". A ideia foi bem aceite pela população e assim surgiram os primeiros andores de flores naturais, que em nada se assemelhavam aos actuais, pois a estrutura era ainda feita nos armadores e depois eram compostos com solitários e jarras de flores. No ano seguinte surgiu a ideia de se começar a colar as pétalas de flores em andores já feitos por cada lugar da freguesia e de acordo com a imagem do santo que iriam transportar. Um dos andores mais pesados é o consagrado a S. Sebastião, que representa um castelo quase totalmente revestido de musgo e cujo transporte chega a "reclamar" os ombros de seis homens. Bem mais leve é o andor dedicado a Santa Gorete, que, como manda a tradição, é sempre transportado por raparigas solteiras.

Ler mais...
Alvarães vai ter uma creche em 2010

Alvarães vai ter uma creche em 2010

19-MAI-2008

O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social assinou no dia 17 de Maio o contrato para a construção de uma creche em Alvarães, Viana do Castelo, um equipamento orçado em 500 mil euros e que terá capacidade para três dezenas de utentes. A creche, resultante de uma candidatura ao PARES (Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais), deverá estar concluída em meados de 2010. "É um equipamento há muito reivindicado e necessário em Alvarães, para evitar que as nossas crianças mais novas sejam obrigadas a 'emigrar' para outras freguesias", disse, o presidente da Junta local. No mesmo edifício da creche será também construído um centro de noite, com capacidade para 12 utentes, "para resolver o problema de uma dezena de idosos para quem passar a noite sozinhos se tornou num mar de dificuldades". Creche e centro de noite ficarão afectos ao Posto de Assistência Social de Alvarães, uma instituição cujas raízes remontam a 1951, então com o nome de Posto de Assistência Médica de Alvarães, quando "um punhado de munícipes" se uniram em torno da criação de um serviço diário de assistência médica e de enfermagem e ajudaram a erguer o edifício do posto médico. Um edifício que, com a Revolução do 25 de Abril e o alargamento dos serviços médico-sociais a toda a população, foi cedido ao Ministério da Saúde, onde este, sem qualquer custo, mantém em funcionamento a Extensão de Saúde de Alvarães. O Posto de Assistência Médica terminou aí, mas em pouco tempo foi substituído pelo Posto de Assistência Social, que actualmente tem como valências um Centro de Dia, o primeiro do concelho de Viana do Castelo, o apoio domiciliário e um lar de idosos. Dispõe ainda da valência Rendimento Social de Inserção, que pretende melhorar a qualidade de vida e a auto-estima de uma conjunto de famílias de Alvarães.  

Ler mais...
Festa Santa Cruz e Andores Floridos 2008

Festa Santa Cruz e Andores Floridos 2008

16-ABR-2008

Realizam-se anualmente em Alvarães, concelho de Viana do Castelo, as tradicionais Festas de Santa Cruz, também conhecida por Festa dos Andores Floridos.Esta festa remota a 1724, mas só em 1946 é que surgiram os Andores Floridos, em cuja confecção toda a população da freguesia se empenha com verdadeira dedicação e amor, colocando pétala a pétala as coloridas flores, num trabalho cuja beleza final é fascinante.Este ano as festividades realizam-se no dia 17 e 18 de Maio. Festa de Santa Cruz e dos Andores Floridos Local: Freguesia de Alvarães - Viana do Castelo Um Pouco de História Por tradição e por brio, Alvarães, no limite Sul de Viana do Castelo, apresenta, na sua "Festa das Cruzes", as jóias de arte popular e de amor, que são os seus andores floridos.Confeccionados com delicadeza e beleza únicas, os andores e cruzes de Alvarães são peças únicas, autênticas manifestações de fé e bairrismo deste povo, revelação de arte, paciência e sacrifícios de quem trabalha por Deus e pela freguesia.A denominação "Festa das Cruzes" deriva de antigo cerimonial, segundo o qual, durante a procissão que, no dia de Ascenção se dirigia da Igreja ao lugar do Calvário, havia uma paragem junto de cada uma das 14 cruzes da Via Sacra, adornadas com flores naturais, onde o clero entoava algumas estrofes, a que o povo respondia. Este cerimonial era já citado em 1724, como "muito antigo e inveterado", conservando-se até aos dias de hoje, sendo que, a partir de 15 de Maio de 1947, lhe foi acrescentada uma segunda característica - os andores floridos que vieram trazer à Festa um valor acrescentado muito importante.Os andores floridos, executados somente com flores naturais, tiveram, praticamente, o seu início, na freguesia de Alvarães, no ano de 1946, aquando da Comemoração Nacional de Terceiro Centenário da Proclamação da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal. Resta acrescentar que estas obras, autênticas de arte e saber popular, são realizadas por gente do campo, artistas anónimos e de grande sensibilidade que utilizam milhares de pétalas e folhas variadas e pequenos ramos na sua confecção.São onze os andores, distribuídos pelos diversos lugares da aldeia, onde impera uma competição a todos os títulos saudável, sendo a técnica de confecção guardada religiosamente por cada lugar e a sua apresentação feita somente ao fim da tarde do Sábado da Festa. Caravela saída de moeda Data de 1946 o primeiro andor decorado com flores naturais em Alvarães, por ocasião da coroação da imagem de Fátima. Nesse mesmo ano, quatro andores floridos percorreram ainda a freguesia em acção de graças pelo fim do segundo conflito militar à escala mundial. No ano seguinte, o pároco da freguesia sugeriu aos paroquianos que na Festa das Cruzes os andores fossem também embelezados com flores naturais. Terá argumentado que as decorações que, na altura, enfeitavam os andores "cheiravam a mofo". A população gostou da ideia, dando, assim, início à tradição. Fazendo jus à máxima segundo a qual a necessidade aguça o engenho, os paroquianos não precisaram de ir longe para se inspirarem em imagem de caravela para o andor de Santa Cruz. Meteram a mão ao bolso e retiraram uma moeda de 2$50, que ostentava, numa das faces, a caravela agora estilizada na criação. Destaques do Programa: Dia 17 - Sábado 16.00 horas - Concentração das 13 Cruzes e colocação ao longo da avenida da igreja18.30 horas - Desfile dos Andores Floridos.24.00 horas - Fogo de artifício Dia 18 - Domingo 16-00 horas - Início da Hora Solene16.30 horas - Grandiosa procissão em Honra de Santa Cruz17.30 horas - XXIV Festival de Folclore

Ler mais...
Pré-Diagnóstico Social

Pré-Diagnóstico Social

01-ABR-2008

Diagnóstico social concluído, muito trabalho pela frente... Durante um ano, uma educadora social efectuou um exaustivo trabalho de campo, para levantamento da situação social de Alvarães. Foram dias e dias no terreno, em contactos porta-a-porta, que resultaram no pré-diagnóstico que aqui apresentamos.O "retrato" prova que há ainda um longo caminho a percorrer para sanar ou minimizar os muitos problemas sociais que grassam na freguesia.No entanto, este diagnóstico afigura-se-nos um magnífico instrumento de trabalho para definir "estratégias de ataque" aos problemas inventariados.O pontapé-de-saída está dado. Agora, há que "ir a jogo", juntando sinergias e mobilizando as mais diversas entidades com responsabilidades na área social, para um trabalho conjunto em prol dos que mais necessitam do nosso apoio e da nossa atenção.Nesse jogo, a Junta de Freguesia de Alvarães estará sempre na linha da frente.

Ler mais...

© 2022 Junta de Freguesia de Alvarães. Todos os direitos reservados | Termos e Condições

  • Desenvolvido por:
  • GESAutarquia